Kia Ora Travel

Kia Ora Travel
Viaje Com Segurança À Bordo da Kia Ora Travel. Tenha descontos Falando Que Acessou Via Bootlegs KISS!

Bem vindo!

God Gave Rock And Rock To You, Gave Rock And Roll TO YOU! Put It On Soul Of Everyone!

===== 150 SEGUIDORES! =====



Pergunte Qualquer Coisa Para Os Uploaders no "Formspring Me"


Faça Parte da Comunidade no Orkut!


-> Learn Portuguese!!! HERE!!!


##########URGENTE##########

BOOTLEGS KISS -> Top 100 em Música no ano de 2010

domingo, 14 de outubro de 2012

RESENHA - Monster [KISS] (2012)


This Is Not A Little Monster…


O novo disco da banda de quase 40 anos, KISS.  Vigésimo disco da banda, é o segundo da formação Paul Stanley [Vocais e Guitarras Rítmicas], Gene Simmons [Vocais e Contrabaixo], Tommy Thayer [Guitarras Solo e Vocais], e Eric Singer [Bateria, Vocais]. Também se trata do segundo disco do KISS após o período quase sabático de 10 anos que a banda exerceu entre Psycho Circus (1998) e Sonic Boom (2009), onde apesar de extremamente ativa, a banda tocava apenas os clássicos de outrora. Mesmo sem novos discos, a banda conseguia fazer turnês de grandes proporções em nível mundial, como a KISS Farewell Tour que de Março de 2000 a Abril de 2001 tocou em 142 locais, com apenas 1 cancelamento, e angariou o status de turnê mais lucrativa do biênio, a frente até de Madonna que na época fizera um grande tour pelo mundo também. Isto motivava a banda a não criar novos discos. Gene Simmons, grande ativista contra pirataria também dizia abertamente que o KISS não faria um novo disco antes que a pirataria caísse por terra. Parece que não deu muito certo.
MONSTER é o disco o qual quero falar. O novo disco do KISS prova desde o primeiro acorde que é um disco do KISS. Podemos dizer certamente que o  KISS é uma banda que nunca deixou um disco passar em branco. Até os considerados fiascos da banda, chegaram a obter uma colocação que seja no TOP 50 de singles, mesmo no caso de Carnival Of Souls que sequer teve divulgação e conseguiu colocar Jungle como single por 2 semanas ainda. Ou Unmasked, que transformou Shandi em Hit, mesmo fazendo música pop, coisa que definitivamente não é a praia do KISS,  ou The Elder, que colocou A World Without Heroes nas charts.  Porém com a mesma certeza podemos dizer que a maioria dos discos do KISS não pode ser considerada boa demais, do início ao fim. Com exceção dos discos lançados entre 1973 a 1978, retirando os álbuns solo de 1978, a discografia do KISS é considerada por muitos como impecável, até o primeiro deslize no hit I Was Made For Loving You e o resto do disco Dynasty de 1979. Porém, o que eu posso falar de MONSTER é que ele quebra um jejum de quase 25 anos, ao fazer um disco bom demais, do início ao fim.  Revenge quase conseguiu isso, e Sonic Boom também. Porém ambos ainda têm aquela musiquinha considerada “A Enche Linguiça!” [Sonic Boom tem Stand que é chata pra caralho e Revenge tem a imperdoável Every Time I Look At You, que roubou todo o peso do disco por 4 minutos]
Hell Or Hallelujah começa MONSTER, primeira música e canção que puxa a sonoridade do disco, debutou nas charts de singles em primeiro lugar e foi extremamente bem aceita pelo público. Canção forte, com Riff grudante, a música praticamente é uma tentativa de criar uma nova I Stole Your Love, considerada por mim a abertura mais visceral que o KISS já conseguiu fazer em um disco. Porém Hell Or Hallelujah ainda emperra em Modern Day Delilah, abertura mais consistente, antes de poder flertar com I Stole Your Love, mas ela te manda largar de ser o bunda mole que sempre é, e enfrentar a vida como ela é. O resultado inevitavelmente será Inferno ou Aleluias! Ou dá merda ou dá lucro em bom português. Tommy Thayer está solto na música e Gene Simmons coloca o baixo para rugir, algo que o Demon só faz quando está fortemente inspirado.
Por falar em inspiração, vemos a entrada de Wall Of Sound, canção alta, potente, com letra grudante, e um Gene Simmons exibindo um vocal que infelizmente Paul Stanley não tem mais. Firme, seguro de si, vibrante. A exibição de Contrabaixo, de baixista para leitor, é inspiradora. Cale a boca e se curve, se é um fã de Hard Rock, porque esse é um Hard Rock de raiz, e o KISS mostra que é um dos criadores do estilo. Esta canção é uma arma carregada, é uma excelente linha de baixo que deu segurança para Eric Singer que fez umas viradas de bateria incríveis. Canção mais rápida do disco, mas que vai direto ao ponto. Uma híbrida de Revenge com Creatures Of The Night. Muito KISS.
Freak, é a terceira música do disco, que começa com um Riff de Rádio, e um Paul Stanley com vocal meio melódico, até chegar ao solo, onde Paul solta um refrão arrogante, que cospe na cara de muita gente, e que se orgulha de dizer que é sim, uma aberração. Agora morra no seu ódio e deixe-me em paz. Sem comentários para a participação de Gene Simmons na canção, o contrabaixo ronca. Brian Whelan no piano, figurando a única ajuda de fora no disco, que não teve nem mesmo participação de compositores exteriores. A canção parece algo que ficou perdido no material de Live To Win, disco solo de Paul Stanley, mas tudo bem.
Back To The Stone Age, é uma canção da idade da pedra. Começando com um belo grito de YEAH! do The Demon, parece com Ted Nugent em “Crave”, a canção remete ao passado da banda, com Eric Singer exibindo uma nostálgica lembrança de Peter Criss ao tocar muito parecido com ele no refrão da música.  Canção Carne-com-Batatas, do jeito que Gene Simmons prometeu. 3 minutos de ótimo, e consistente Hard Rock.
Shout Mercy é um flerte com a Invasão Britânica setentista, imagine o KISS criando uma versão de Simpathy Of The Devil e It’s Only Rock And Roll, com um pouco de Uh! All Night. Shout Mercy vem com incríveis Whoo Whoo, como Simpathy Of The Devil, e alguns riffs que remetem de cara a It’s Only Rock And Roll, mas naquele estilo oitentista que o KISS teve.  
Long Way Down é mais séria que a anterior, e exibe influências de Led Zeppelin e Humble Pie. As  bandas favoritas de Paul Stanley. Definitivamente, a meu ver, se trata de uma canção totalmente nova no repertório KISS. Não há nada no vasto repertório de 200 músicas dessa banda parecida com essa canção. Ela soa mesmo é como uma banda dos anos 90, num debute visceral.  Excelente canção!
Eat Your Heart Out, é assustadoramente incrível. Uma capela de apenas 20 segundos, abre o lado B do disco, e lembra demais Grand Funk Railroad!  Atire-me uma pedra o doido que provar o contrário. A canção não  é lá uma das melhores do disco, mas isso também é algo difícil de se conseguir num disco belo desses, mas é um clássico de KISS. Extremamente alegre, Riff fantástico, linha de baixo compacta, solo pequeno, direto mas bem feito, com uma evocação no refrão a te fazer cantar, com Gene Simmons tendo um orgasmo musical ao fim de cada frase do refrão. Absolutamente monstruosa.
Monstruosa porque Monster é realmente um disco de grandes proporções, mas deveria ter algo mais potente para fazer jus ao nome, e é ai que chega The Devil Is Me.
The Devil Is Me já começa com um Riff mais sombrio, e com a melhor apresentação de Gene Simmons, tanto em composição, quanto em apresentação, desde I Love It Loud. I’m An Animal e Russian Roulette do antecessor Sonic Boom poderiam ser consideradas grandes apresentações de Gene Simmons, mas ele apresentou um sarcasmo extremamente consistente e agressivo nessa canção, que também é agressiva no ponto de vista musical. Um monstro de canção, com um refrão que arrepia cristão. “Acordei todo suado e ouvir Deus dizer para mim: O Diabo é eu! O Diabo é eu! Eu luto contra mim mesmo para ser livre, porque o Diabo é eu!”  Humildemente seleciono esta canção como a melhor do disco. Visceral, potente, com letra digna de ser considerada Heavy Metal, acredito que até mesmo DIO gostaria de canta-la. Destaque do disco.
Logo após dela, vemos Tommy Thayer cantar sua segunda canção oficial no KISS, a bela Outta This World. Canção fantástica, eu tenho que assumir, a canção tem Riff parecido com o de Mr Speed, e podemos dizer que ela não tem basicamente nada de muito interessante. Mas ela parece uma top canção do AC/DC nos seus tempos de glória, mas como não posso deixar de falar, Paul e Gene tentam ludibriar seus fãs ao colocar uma canção com letra que parece feita por ACE FREHLEY.  A canção é praticamente a segunda versão de Rocket Ride, canção inédita do Alive II, te convidando para ir dar uma passeada no Foguete dele. Tommy Thayer fez o melhor disco de sua carreira, mas nesta canção ocorreu seu único deslize: Fazer um solo extremamente Ace Frehley, imitando sons do espaço, usando uma letra que só Ace Frehley faria, porém está perdoado, com certeza foi ordem dos Patrões. Porém o foguete do Thayer nunca será o foguete do Ace Frehley.
All For The Love Of Rock And Roll é uma música puro KISS, basicamente uma daquelas candidatas a Hino-Do-Rock que a banda tem de sobra em músicas como Rock And Roll All Night, God Gave Rock And Roll To You II, com um empréstimo de inspiração na letra de It’s A Long Way To The Top, do AC/DC com o clima festivo de I Love Rock And Roll, da rainha do punk Joan Jett.
Take Me Down Below é uma canção imatura, impertinente, com aqueles refrães de músicos rebeldes dos anos sessenta, gritando “Se está barulhento demais, é porque você está velho demais!”. Não cola mais para Paul e Gene, sessentões quase setentões. Mas é muito agradável se você esquecer esses detalhes... Porém se Paul não tivesse produzido o disco sozinho, um produtor de fora provavelmente fá-lo-ia reescrever a canção, e não estaria lá tão errado.
Last Chance é uma canção belíssima, onde talvez só a Bateria de Eric Singer não encaixa tão bem, a pegada 1,2,3 &4 não encaixou muito bem com o groove tocado por Gene e com o Riff de Thayer mas algo me diz que era exatamente o que ele queria. Vai saber. A canção em si tem uma letra fantástica.
Right Here, Right Now, é aquela canção que tenta te ensinar como viver sua vida, te diz que a vida é para ser vivida agora, que o ontem não interessa, e o amanhã é apenas uma dúvida, para que tu faças tudo aqui e agora. Na voz de Bono Vox eu diria que seria horrível, mas porque ele é um dos maiores chatos de plantão do mundo, nada contra o U2, sim contra ele. Mas ficou Quite Well como musica do KISS.
Não tenho peito para dizer que MONSTER seja o melhor disco do KISS. Esta banda tem na bagagem uns anos setenta quase impecável, porém está longe de ser um dos piores discos do KISS. Pelo contrário, este disco apaga todos os erros da banda nos anos 80, se equipara aos bons poucos discos dos anos 90, e faz-nos perdoar a banda por não lançar nada na década seguinte. Considero-o extremamente mais maduro que o antecessor Sonic Boom, ainda mais que o precedente Psycho Circus, e o coloco entre os 5 melhores discos já lançados pelo KISS.
Funciona porque não tem músicos de fora. Não tentou soar como um disco do passado do KISS, pegou influencias de outras bandas, fez algo novo, sem buscar seguir tendências da época, para vender bem ou angariar novos fãs, o disco é também abusado. Tiraram a bunda da Poltrona do Conforto, fizeram material novo, diferente de qualquer coisa já lançada pela banda, pelo menos 4 músicas são assim, e deram – enfim – liberdade para Tommy Thayer e Eric Singer fazer um excelente trabalho.
All Music que morra e queime no inferno dos traiçoeiros faladores de merda, que tem por objetivo só falar mal do KISS, e digo isso porque o safado que fez a resenha de MONSTER para a badalada revista não merece sequer viver ao fazer comentários esdrúxulos como os que fez. Provavelmente ele só ouviu o single Hell Of Hallelujah ao fazer a resenha, já que apenas criticou a banda de ser uma banda-vendedora-de-souvenir.  Eles são, porque são fodas e tem a maior marca do Rock And Roll para explorar.
MONSTER? Nota 10.
Phelipe Guilherme Santana Maciel

6 comentários:

  1. Phe com todo o respeitoooooo
    eu te amoooooo
    te amoooo mesmooo cara acabassse de falar tudo oq ue eu pensei desse disco com fina e clara escrita... vou ter que dar um ctrl c + ctrl v no meu blog
    pq te juroooooooo
    mto perfeitooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo


    eu to louca pra comprar camiseta e cd do mosnter acho que nao tiro do corpooooo
    na boaaaaa
    é tudo mto perfeitoooooooooo
    é sem duvida a banda mais perfeita e mais linda mais talentosa do mundooooo
    só posso desejar mais alguns monster e que eles possam ainda ter a oportunidade de lançar albuns fabulosos como este para a proxima geração... nesse tmpo em que a musica boa anda tao rara é bom saber que a sua banda favorita faz algo asssimmmm
    choreiii aki até de emoção por ter essa oportunidade de ler esta resenha otima... mais escutar este disco maravilhossssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssoooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo

    bjoss Phe
    amoteeee é serio isssoooooo

    ResponderExcluir
  2. Excelente Rresenha Phelipe!! Tive um mesmo ponto de vista que o seu sobre o álbum, soa original para o KISS! Um álbum muito a frente dos outro lançamentos do ano, sem ser fanático. Impossível dar nota menor que 10!!

    ResponderExcluir
  3. Phe, simplesmente surreal... Parabéns pela resenha.... E até dia 17 de novembro..........

    ResponderExcluir
  4. Caro Phelipe, muito bom!!! Eu já curtia o Kiss antes de você ter nascido, e você me fez ver que a escolha como banda preferida foi muito acertada. Só hoje aos 46 consigo ver a qualidade e genialidade do grupo. Não escondo a tristeza de querer o Eric Carr vivo, e tocando no Kiss, mas ... Bom a resenha foi fantástica. Gostaria que você me ajudasse a comprar toda a coleção. Grande abraço e parabéns pela Resenha de classe e bom gosto!

    ResponderExcluir
  5. ótima resenha do álbum!!
    só faltou concordância na tradução de The Devil is Me: "O Diabo SOU eu". rsrs
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  6. Saudadeeeeeeeeeeeeeees de vocês po! magnifico a resenha, sinceramente nao tenho muita vontade de ouvir o Monster, achei o Sonic Boom até melhor, tipo Danger Us, Russian Roullete, All For the Glory, e melhor disco, não, Dynasty, Destroyer, Rock and Roll Over, Revenge, Animalize, acho melhores que esse mas Phelipe, tu é fera, adorei a resenha mlk, como o show tambem aqui no Brasil, as musicas muito bem tocadas, então, abração mano, fique na paz e volte kkk'

    ResponderExcluir

Quem Gostou Deste, Também Baixou Estes:

Related Posts with Thumbnails